Holantec :: Consultoria em Fruticultura
         
Ameixa        
         

Características
A ameixa (Prunus salicina Lindl.), é comumente referida como ameixa japonesa, grupo que tem baixa exigência de frio. Frutífera arbórea de clima temperado, de folhas caducas, da família Rosaceae, requer o uso de variedades pouco exigentes de frio, especialmente selecionadas às condições climáticas locais.

Em São Paulo e nas regiões de ecologia similar dos Estados vizinhos, é uma das frutíferas de maior difusão nos últimos anos, principalmente ao plantio de variedades selecionadas com baixa exigência de frio. A produção de ameixas destina-se, na quase totalidade, ao consumo in natura, no mercado interno, porém com algumas perspectivas de exportação.

Cultivares de Casca Vermelha
Centenária (IAC SR-51)
Harry Pieckstone (Rubí 2)
Gulf Blaze
Reubemel (Rubí 1)
Gulf Rose.

Cultivares de Casca Amarela
Gema de Ouro (IAC K-43).

Plantio
Utilizar mudas enxertadas em pessegueiros de sementes, de preferência do cultivar Okinawa, resistente ao nematóide de galhas. Mudas de raízes nuas: plantio em julho e agosto;
Em sacolas: em qualquer época, de preferência na estação das águas.

Espaçamento
Plantio convencional: 6 x 5m
Plantio adensado: 4 x 2m a 5 x 3m
Mudas necessárias: 330; 666 a 1.250/ha, de acordo com o espaçamento.

Calagem e adubação
Durante o preparo do solo deverá ser feita uma calagem em toda a área para elevar a saturação por base a 70%, usando calcário dolomítico. Para a cultura já formada proceder do mesmo modo, com a aplicação do calcário sob a projeção da copa da planta.

Adubação de plantio: no preparo das covas colocar 20 litros de esterco de curral ou 5 litros de esterco de galinha, mais 200g de P2O5 e 3g de Zn, misturados com a terra da superfície, 20 dias antes do plantio.

Adubação de formação: no primeiro e segundo anos, adubação nitrogenada em cobertura na dose de 60 e 120g de N por planta, e de acordo com a análise de solo, 0 a 120 g/cova de P2O5 e 40 a 160 g/cova de K2O, em três aplicações anuais (no início, meado e fim da época das chuvas). No terceiro ano, aplicar 180 g/cova de N, e de acordo com a análise de solo, 90 a 180 g/cova de P2O5 e 120 a 240 g/cova de K2O.

Adubação de produção:
Fazer análises químicas de solo, pelo menos a cada dois anos corrigindo os níveis de nutrientes mantendo o equilibrio entre eles no solo. A adubação de produção deve estar baseada na exportação de nutrientes pela produtividade esperada.

Irrigação:
Indispensável em momentos críticos como florada, frutificação e pré-colheita. O sistema utilizado deve prover água cobrindo pelo menos 50% das raízes. O sistema mais indicado é o de microasperção, podendo ser de asperção sobre copa ou de gotejo desde que alcance a área radicular especificada. O manejo de cobertura morta favorece muito a manutenção da humidade no solo.

Outros tratos culturais:
Capinas, roçadeira nas águas, podas de formação e de limpeza, desbrotas e desbaste dos frutos. No inverno, eliminação de ramos em excesso ou doentes com algum encurtamento.

Controle de pragas e doenças:
No inverno – calda sulfocálcica concentrada, cianamida hidrogenada (para quebra da dormência) e caiação do tronco; na vegetação – utilizar produtos registrados para a cultura, como inseticitas, bactericidas, acaricidas, fungicidas e outros, sob prescrição técnica.

Colheita:
Setembro a fevereiro, conforme o cultivar e região; safras comerciais, a partir do segundo ano de instalação do pomar; colheita manual dos frutos no estádio de vez.

Produtividade normal:
15 a 45 t/ha de frutos em pomares adultos, racionalmente conduzidos e conforme o espaçamento.

Curiosidades

A sumarenta polpa da ameixa é, essencialmente, composta por água e hidratos de carbono. Contém praticamente todas as vitaminas do grupo B, o que permite fortalecer os nervos, o metabolismo e reforça a agilidade mental.

É igualmente rica em ácidos gordos polinsaturados, que evitam a desidratação das membranas celulares e bloqueiam a entrada de bactérias.

As ameixas possuem vitamina A e vitamina E. Ambas são antioxidantes e, por isso, protegem o organismo dos radicais livres, evitando o envelhecimento precoce e reforçando as defesas naturais contra vírus, bactérias, fungos e doenças. A vitamina A é benéfica para a visão, ajuda a manter o bom estado da pele, do cabelo, das mucosas e dos ossos, bem como o correto funcionamento do sistema imunológico pois reforça as defesas naturais.

A vitamina E é essencial para manter a estabilidade das células sanguíneas, bem como estimular a fertilidade. Também tem antocianinas, pigmentos com uma função antioxidante e anti-séptica que combatem as infeções e bloqueiam os efeitos nocivos dos radicais livres.

As fibras presentes nas ameixas formam uma goma que reduz a velocidade de absorção dos hidratos de carbono, tornando num alimento saciante, indicado para ajudar a manter o peso.

A polpa e a casca são ricas em fibras insolúveis que favorecem o trânsito intestinal e ajudam a manter baixos os níveis de colesterol e a reduzir o risco de cancro. Evite comê-las se tem problemas intestinais.

As passas de ameixa são, geralmente, muito energéticas mas conservam intatos os restantes nutrientes, incluindo os minerais, a provitamina A e a vitamina B3, sendo, assim, uma excelente fonte de fibra.

Devido, precisamente, às suas propriedades laxantes, poderão causar diarreia e agravar esses mesmos problemas.

Fonte:
Frutas Exóticas (Funep, FCAV/Unesp)
http://universoalimentacao.blogspot.com.br

         
       
         
 
Holantec Consultoria em Fruticultura

Rodovia Raposo Tavares, km 256
C.P.: 506 | CEP: 18725-000
Distrito Campos de Holambra
Holambra | SP

Fone: (14) 99687-0080 Elcia
(14) 99866-3436 Cris

holantex@uol.com.br
www.holantec.com.br

DEVELOPED BY JT COMUNICATION FROM BRAZIL 2013 | ALL RIGHTS RESERVED | www.jtcomunicacao.com.br